terça-feira, 20 de outubro de 2009

ELE TOMOU NOSSA CULPA

"Cada um se desviava pelo seu caminho; mas o SENHOR fez cair sobre ele a iniqüidade de nós todos; Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo para que o mundo fosse salvo através dele".
(Isaias 53:6a; João 3:17b)

.............................................................................................................

... quando ela for ao mercado, as mulheres irão cochichar. Quando ela passar, as pessoas vão virar o rosto. Daquele momento em diante ela seria conhecida como adúltera.

- E na Lei, Moisés manda que tais sejam apedrejadas. E Tu, Jesus, que dizes?




- Aquele dentre vós que está sem pecado seja o primeiro que atire a pedra contra ela.

(João 8:5,7)

(...)



“Mulher, onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou? (...) Nem eu também te condeno; vai-te, e não peques mais”. (João 8:10-11)

Se você se pergunta como Deus reage quando você falha, observe com cuidado. Ele está escrevendo. Está deixando uma mensagem. Não na areia, mas em uma cruz. A mensagem de Deus tem uma única palavra:


INOCENTE!


(Lucado, M. – João 3;16)

(Imagens do filme - A Paixão de Cristo)

2 comentários:

The FisioBlog disse...

Jesus considerava julgar os outros um grande desperdício de energia, ele afirmou várias vezes que não viera pra julgar, mas pra ajudar, julgar não era seu ofício (Mt 12:36). Ele não murmurava nem sussurrava sua mensagem, e nem discutia a abordagem mais segura pra fazer alguma coisa, nem ia a comites, reuniões pra pedir permissão pra fazer alguma coisa, ele era audacioso. Ele gritava, batia os pés, arremessava mesas e cadeiras, clamava e gemia... provocava um grande impacto na mente das pessoas com atitudes e ações, que muitas vezes nem tinham sido realizados e vistos antes. Ele usava seu próprio sangue pra pintar sua mensagem, compreendia que o poder devia ser assumido interiormente, antes de ser reconhecido externamente. Ele mudava as unidades de medida... ele dizia: Está escrito, mas eu digo... Ele estava mudando as unidades de medidas, de exigências de como deveríamos chegar a presença de Deus, mostrando que não era a quantidade de orações, mas a profundidade delas... mostrando que não se importava com o estereótipo, mas com o coração. Ele mostrou nessa situação que aceitava essa mulher como ela estava, como ela era, e não como ela deveria ser.

Neto disse...

INOCENTE !!!!

\o/